Amor em 3 Actos: 3º Acto

Nem todas as relações atingem o 3º acto e quando atingem nunca é indolor. Boy Breaks Up With Girl. Se tudo na vida tem um princípio e um fim, seria fácil pensar que Amor não é diferente. Porém, algo tão abstracto, complexo e universal como o Amor é infindável, mas não uma relação. A letra R do 3º acto do Amor corresponde ao ROMPIMENTO.

Traição, negligência, falta de atenção, incompreensão, ciúme, falta de química e incompatibilidade são algumas das razões para o fim de uma relação e uma montanha russa de sentimentos trespassam o íntimo. Se há mil e quinhentas canções elevadas à décima sobre o enamoramento, muitas mais há sobre o final deste. Talvez por isso esta é seja a maior colectânea. Canções que destilam angústia, frustação, raiva, saudade, tristeza, vingança, piedade, desilusão e no final… a esperança de um recomeço.

Playlist: Love Act III

  1. Alanis Morissette: You Oughta Know
  2. No Doubt: Ex-Girlfriend
  3. The All American Rejects: Gives You Hell
  4. Descendents: Hope
  5. Pulp: Like a Friend
  6. Miley Cyrus: Wrecking Ball
  7. Alanis Morissette: Are You Still Mad
  8. Evanescence: My Immortal
  9. No Doubt: Don’t Speak
  10. Damien Rice: Elephant
  11.  David Fonseca: Do you Really Believe That Love Will Keep You From Getting Hurt
  12. Pedro Abrunhosa: Será
  13. Ornatos Violeta: Ouvi Dizer
  14. James Blunt: Good Bye My Lover
  15. Adele: Someone Like You
  16. Amy Winehouse: Back To Black
  17. U2: So Cruel
  18. Sinéad O’Connor: This is the Last Day of Our Acquaintance
  19. Pink: Try
  20. The Cranberries: No Need to Argue
Advertisements

Amor em 3 Actos: 2º Acto

Chegamos à 2ª fase da relação a dois. Boy Wants Girl. A letra R que lhe corresponde é RAMBÓIA. Penso que a palavra dispensa apresentação, porém digamos que esta é a parte do cancioneiro do Amor em que os ritmos são mais lânguidos. Ora calmos e insinuantes, ora propícios para a dança do varão ou outras brincadeiras tais que desperte o desejo. Nesta playlist não haverá o que a minha amiga Maggie chama de: “Música para fazer bebés”. Não. Com estas guitarras e ritmos voluptuosos, a palavra de ordem é mesmo Rambóia.

Playlist: Love Act II

  1. PJ Harvey: This is Love
  2. Nelly Furtado: Maneater
  3. Ashlee Simpson: La La
  4. Kings Of Leon: Sex on Fire
  5. Queens of the Stone Age: Little Sister
  6. Muse: Supermassive Black Hole
  7. U2: Desire
  8. The White Stripes: I Just Don’t Know What To Do With Myself
  9. Sia: Fire Meets Gasoline
  10. George Michael: Father Figure
  11. The Pussycat Doll: Buttons
  12. Prince: Get Off
  13. Michael Jackson: Give in to Me
  14. Massive Attack: Angel
  15. Death in Vegas: Dirge
  16. Madonna: Erotica
  17. Carlão: Hardcore

Amor em 3 Actos: 1º Acto

Rapaz conhece rapariga e apaixona-se. Eis o primeiro Acto do Amor. Pode ser à primeira vista, ou à quinta, mas os sintomas são os mesmos: pupilas dilatadas, coração acelerado, borboletas no estômago, vontade incontrolável de sorrir. Nem sempre é mútuo, mas isso não impedirá o apaixonado de incríveis actos de insana parvoíce para chamar a atenção ao facto de estar apaixonado.

Mil e quinhentas canções elevadas à décima versam sobre o acto de estar apaixonado, mas escolhi estas . Na primeira letra R. do Amor – RELACIONAMENTO, deixem-se apaixonar.

Playlist: Love act I

  1. Jewel: Near You Always
  2. Damien Rice: The Blower’s Daughter
  3. Brandi Carlisle: The Story
  4. Elvis Costello: She
  5. Marisa Monte: Amor I Love You
  6. Oioai: Sushibaby
  7. Clã: Lado Esquerdo
  8. Muse: Starlight
  9. David Fonseca: Our Hearts Will Beat as One
  10. The White Stripes: Fell in Love with a Girl
  11. Kings of Leon: Use Somebody
  12. Glasvegas: Geraldine
  13. Beyoncé: Crazy in Love
  14. Christina Aguilera: Ain’t No Other Man
  15. U2: Everlasting Love
  16. Bruce Springsteen: Secret Garden
  17. Michael Jackson: Liberian Girl

Amor em 3 Actos: Prólogo

Em semana de Dia dos Namorados, nasce uma colectânea que serve para os apaixonados que acreditam no Amor e os cínicos que não acreditam. O Amor em 3 Actos é o título da colectânea que se divide em 3 fases do Enamoramento – os três Rs (RELACIONAMENTO – RAMBÓIA – ROMPIMENTO). Inspirada no filme 500 Days of Summer que  relata o relacionamento entre Tom e Summer em três fases, esta é a história de “rapaz conhece rapariga”, mas atentem ao aviso da voz off: “Esta não é uma história de Amor”. Inexplicavelmente, o filme não estreou em Portugal, mas agradeço aos céus pela distribuidora aceitar visiona-lo para os jornalistas no ido ano de 2009. 

PRÓLOGO

Imaginado o Amor como uma encenação teatral, o prólogo é onde as personagens e o tema são apresentados. Porém, algo tão abstracto como o Amor, como se explica? Um sentimento? Um estado de graça? A némesis do Ódio? Para tudo aquilo que não conseguimos expressar, os poetas fazem-no melhor que os comuns mortais. O que são os compositores de canções senão poetas musicais. Cinco canções explicam o que é o Amor, uma vai mais longe e explica a sua origem. Se ouvirem com atenção, Hedwig explica como Zeus, furioso com a rebeldia dos seres andróginos,unidos como um só, os separou com um raio. Sem a sua metade, cada um busca o outro para se sentir completo de novo. Se o meu professor de Filosofia explicasse o discurso de Aristófenes na obra de Platão: “O Banquete” desta maneira, talvez estivesse mais concentrada nos seus ensinamentos.

Playlist: Love Act Prologue

  1. Hedwig and the Angry Inch: Origin of Love
  2. The Verve: Love is Noise
  3. Gabrielle Aplin: The Power of Love
  4. U2: Love is Blindness
  5. Bette Midler: The Rose

 

Banda Sonora para Dia das Bruxas (a sequela)

Chega aquele dia, importado que parece que veio para ficar em Portugal – pelo menos no aspecto da máscara, decoração do espaço e, definitivamente doces. O Halloween, em português traduz-se por Dia das Bruxas, a véspera do feriado nacional Dia de Todos os Santos.

Mas vamos ao que interessa:

Que canções passar naquela festa que estamos a organizar lá em casa ou no escritório?

O Mixtape está aqui para ajudar os menos versados em música de susto. Esta é a segunda playlist sob a temática Halloween, podem espreitar  a primeira aqui. Para a sequela, estão presentes os clássicos – não podia faltar Thriller de Michael Jackson e o tema principal de Ghostbusters, os grandes hinos sobrenaturais dos anos 80, acordes pop e rock, mas também aquelas canções que arrepiam a pele. Para acalmar os ânimos e propocionar o momento slow da festa, a voz doce de Annie Lennox a embalar um vampiro.

Divirtam-se e usufruam mais  Doces e menos Travessuras

Foto: ©Rute Gonçalves

Playlist Halloween 2

  • Michael Jackson: Thriller
  • Rockwell: Somebody is Watching me
  • Prince: Batdance (BSO)
  • Ray Parker Jr.: Ghostbusters (BSO)
  • AC/DC: Highway to Hell
  • Alice Cooper: Feed my Frankenstein
  • Rolling Stones: Simpathy for the Devil
  • Rocky Horror Picture Show: Time Warp
  • Screamin’ Jack Hawkings: I Put a Spell on You
  • Julee Cruise: Into the Night
  • Annie Lennox: Song for a Vampire (Bram Stoker’s Dracula BSO)
  • Mark Snow: X Files Theme

Recordar River Phoenix

O mais assustador Dia das Bruxas foi em 1993, de tal modo traumatizante que a sua memória perdura ainda hoje cada vez que o calendário marca o dia 31 de Outubro. Numa solarenga manhã de Domingo ouvi num bloco noticiário: “Morreu o actor com o nome mais hippie de Hollywood”. A frase despertou-me a curiosidade, mas ouvir o nome River Phoenix despolotou uma paleta de sentimentos que não contava viver nos meus tenros 16 anos de idade.

A minha primeira reacção foi não acreditar e pensar que fosse uma brincadeira de Halloween de muito mau gosto que espelha a fase da negação, seguida pela ira ao saber a causa da morte: “Paragem cardíaca devido a ingestão de um cocktail de estupefacientes”. Como é que alguém tão etéreo, em contacto com a natureza, vegetariano convicto pôde ter sido tão estúpido. Naquele dia a mística que o rodeava caiu por terra, a pessoa que me despertou para a causa ambiental, para o vegetarianismo, que me deu a conhecer a causa de defesa dos animais, era humano, como todos nós e cometia erros.

No filme The Cat’s Meow de Peter Bogdanovich, a personagem de Joanna Lumley, Elinor Glyn, descreve Hollywood como uma criatura viva e o seu efeito naqueles que querem conquistá-la. Lembro-me sempre de River cada vez que oiço estas palavras: “A maldição da Califórnia é como um feiticeiro cruel, capaz de renegar a verdadeira personalidade naquele que é enfeitiçado, forçando-o. a esquecer do sítio de onde provêm, o propósito da sua viagem e os princípios que lhe são queridos”.

Que vestir no Dia das Bruxas?

Esta é a pergunta na cabeça de todos aqueles que planeiam festejar o evento anglo-saxónico, marcado no último dia de Outubro. Pois bem, o Mixtape está aqui para ajudar com uma série de sugestões retiradas do universo cinematográfico ou televisivo. Dez disfarces para uma inesquecível noite de Diabruras ou Travessuras

Disfarce: Piloto Top Gun
How I Met your Mother (TV)
Acessórios: Um rádio portátil para tocar o tema: Danger Zone de Kenny Loggins, óculos de aviador, quantidade exorbitante de emblemas.

Barney faz uma entrada e peras com o disfarce que requer a própria trilha sonora e um compincha para servir de co-piloto. De outro modo como é que ele poderia dizer a frase carregadinha de alusão homo erótica: “You can be my wingman anytime!” É certo que poderá ser um nadinha complicado arranjar uma farda de piloto de força áerea, mas pensem que irá render a atenção do sexo oposto. Arranjem um fato-macaco esverdeado e toca a coser emblemas. Se não querem fazer algo muito elaborado, podem seguir a sugestão do Ted e ir disfarçado de boletim de voto (pela percentagem de eleitores que votam, parece que este papelinho é deveras assustador de se enfrentar).

Disfarce: Pai Natal inspirado em Jack Skellington
The Nightmare Before Christmas
Acessórios: Gorro vermelho, barba branca e saco de presentes que transbordam em malvadez.

Muitos podem achar fora de contexto mas, tal como assistimos no filme saído do imaginário de Tim Burton, torna-se divertidamente assustador. O disfarce de Pai Natal em pleno Outubro não só reforça o dizer popular: “O Natal é quando o homem quer”, como permite distribuir presentes marotos como que contagiados pelos espírito de Diabrura ou Travessura.

Disfarce: Homem Aranha apijamado
Coupling (TV)
Acessórios: Rádio portátil a tocar o tema do genérico da série animada dos  anos 60, luvas brancas, uns ténis e um gorro de ski vermelhos.

Seria muito mais espectacular vestir o fato de látex justinho mas, convenhamos, nada prático – especialmente na hora das necessidades fisiológicas. Na versão de Jeff basta arranjar um pijama vermelho com calças azuis, desenhar umas teias, colocar uma aranha pompom no topo e voilá. Este disfarce funciona muito bem em noites dançantes já que inclui trilha sonora e a respectiva coreografia.

Disfarce: Elle Driver disfarçada de enfermeira
Kill Bill
Acessórios: Pala branca, chapéu de enfermeira, seringa.

Qualquer personagem do universo cinematográfico de Quentin Tarantino é uma boa escolha de disfarce. O filme Kill Bill é particularmente fértil (desde a Noiva com o seu fato de treino amarelo canário, ao velho ancião de longa barba, Pai Mei), mas o destaque vai para a letal assassina Elle Driver, com a sua janota fatiota de enfermeira.

Em alternativa, e se são o grupo de cromos de cinema lá do bairro, podem ir disfarçados deReservoir Dogs: o grupo de criminosos de fato e gravata que se desloca em câmara lenta para efeito mais cool. Precisam apenas de fato e gravata e óculos escuros. O cigarro na boca é opcional, mas a atitude certa é imperativa.

Disfarce: O Efeito Doppler
The Big Bang Theory (TV)
Acessórios: A inteligência

Se querem ser abstractos e deixar as pessoas na dúvida, para depois fazer um brilharete a esclarecê-las, vão disfarçados ao equivalente em indumentária da característica observada nas ondas quando emitidas ou reflectidas por um objecto que está em movimento com relação ao observador. Depois rezem para não serem desprezados ou cuspidos em cima.

Disfarce: Fantasma
E.T – The Extra Terrestrial
Acessórios: Um lençol branco

Em tempo de crise, este é um disfarce económico e dentro do contexto das festividades do Dia das Bruxas. Arranjem um lençol velho, façam dois buracos para os olhos, um para o nariz e divirtam-se sem serem reconhecidos. Esta cena mostra uma miríade de disfarces que podem usar, com destaque para o zombie médico com o cão debaixo do braço e o Yoda.

Disfarce: Membros da banda Kiss
According to Jim (TV)
Acessórios: Botas de plataforma, correntes, muitos metros de cabedal, uma farta cabeleira de caracóis encaracolados e muita, mesmo muita, pintura de rosto.

Para os nostálgicos do som heavy glam, esta é a fantasia que se desdobra em duas: artistas rock com muita pinta ou morcegos atingidos por raios gama com queda para a música. Depende da disposição. De vez em quando estiquem a língua de fora para que se perceba quem é o Gene Simons do grupo. Este disfarce pode estar em harmonia com a vossa cara-metade se esta assumir o disfarce de groupie.

Disfarce: Adolf Hitler
Liberty Heights
Acessórios: coragem e bigode falso

Este disfarce requer alguma ousadia e capacidade de argumentação para explicar aos outros o porquê de escolha tão aterrorizante. Encontrar uma farda não é missão impossível, porém desejo boa sorte na procura de umas calças Jodhpur (largas nos quadris e afuniladas no joelho). Com o vestuário, complementa-se o penteado de risco ao lado que se desloca ao balanço do tom colérico e as piadas secas sobre judeus. Se não tiverem uma boa capacidade de encaixe  correm o risco de serem banidos, classificados como personna non grata ou levarem um murro na fuça. Se são judeus o disfarce classificar-se-á como irónico, mas correm o risco de pregar um susto de morte aos anciões da família, tal como a avó de Ben.

Disfarce: Super-herói
Kick-Ass
Acessórios: Matracas, luvas de borracha de cozinha e galochas


Depois de ver o filme percebemos onde os super-heróis buscam a inspiração para a sua roupa, na luta contra o mal. Lojas de desporto ou de produtos sadomasoquistas. Portanto, se querem fantasiar-se como o Kick Ass, vistam um fato de borracha (de surf ou mergulho) com umas cuecas vermelhas estilo sunga, a touca de borracha e umas luvas a condizer com as cuecas. Voilá, estão prontos para combater crime e animar a malta com os vossos preparos.

Disfarce: Darth Vadder
Spot televisivo da Volkswagen 2011
Acessórios: Capacete Darth Vadder

O sonho de qualquer criança ou jovem adulto cromo, o disfarce de Darth Vadder será um grande sucesso em qualquer lado. A fatiota é relativamente fácil de conseguir, assim como a capa negra, já o capacete requer abrir os cordões à bolsa. Se estão dispostos a gastar uma considerável quantia monetária, podem adquirir o capacete com o modulador de voz. Se não, basta apenas pavonearem-se com a trilha sonora da marcha de Darth Vader e ficar absolutamente silencioso. Para completar, sugiro que distribuam cartões-de-visita como este abaixo referenciado e terão sucesso garantido.

vader

Foto: © Rute Gonçalves