Surto de gargalhadas

Se é verdade que o riso é contagiante, depois de verem o seguinte compêndio de gargalhadas, é melhor ficarem de quarentena para não causar uma epidemia de risota.

No cinema, não é só do género comédia que se retiram gargalhadas, embora seja esse o género por excelência. Alguns actores possuem um riso característico que encantam os espectadores, outros recriam risotas específicas para caracterizar a personagem que interpretam. Existem ainda aqueles que, fora do personagem que interpretam e no stress que não conseguirem terminar uma cena, não conseguem parar de rir, o que acaba por ser uma fonte inesgotável de riso para o blooper reel (vulgo gaffes).

Tom Hanks:The Money Pit

Este filme é um clássico dos anos 80 e continua a ser uma fonte inesgotável de riso não interessa quantos visionamentos passados. The Money Pit tem a sua cota parte de slapstick e um par de comediantes no auge do sucesso televisivo, mas é esta cena da banheira que leva a personagem de Tom Hanks à loucura do riso incontrolável. Infelizmente nunca vi este filme no cinema, vi-o em casa com as minhas vizinhas e foi uma enxurrada de risada.

Rick Gervais: “Pop Nobing” Extras

Rick Gervais é conhecido pelo seu humor de rosto cerrado, silêncios desconfortáveis e textos que nem sempre fazem sentido. Confesso que não é o tipo de comédia que me agrada, porém, quando Gervais se espalha ao comprido e falha as falas ou as deixas, é o momento em que a sua característica e estridente gargalhada emerge e aí não há espectador que consiga manter uma expressão séria. Esta cena, em que Keith Chegwin mímica o acto sexual do “pau” a enfiar no “buraco” foi a mais difícil de filmar na série “Extras”. Gervais, simplesmente, não consegue parar de rir. E nós também não!

Herman José: Lauro Dérmio apresenta

Outro exemplo de gargalhada estridente que atinge em cheio o nosso nervo do riso. Herman José esforça-se ao máximo para conseguir dizer a frase: “Não pirilamparás a mulher do próximo” numa caricatura do cineasta Lauro Dérmio, mas falha sistematicamente, deixando escapar gargalhadas que o levam às lágrimas.

Julia Roberts: Pretty Woman

Na cena em que Edward oferece o colar a Vivian, Richard Gere improvisou fechando a tampa do estojo em cima dos dedos de Julia Roberts de propósito. O resultado é uma genuína gargalhada, marca registada do carisma pessoal de Roberts. O realizador ficou encantado com a gargalhada e permitiu que a cena ficasse assim. É essa mesma gargalhada que faz as delícias dos espectadores.

Eddie Murphy

Vi recentemente um documentário sobre Eddie Murphy onde o próprio confessava que a gargalhada que o caracterizou no início da carreira é deliberada e não a sua verdadeira forma de rir. Durante anos e anos, as pessoas que se cruzavam com Eddie Murphy pediam-lhe para recriar a gargalhada e ele ficou de tal modo farto que já não a recria em filme (ou na vida real). Falsa ou não, a gargalhada Eddie Murphyana contagia sem sombra de dúvida.

Seth Rogen

Seth Rogen tem um passado de stand up e isso transparece na forma como domina o timing, amiúde faz vozes para filmes de animação e embora o espectador não consiga ver o actor, sabe imediatamente reconhecê-lo devido à sua característica gargalhada. Uns acham-na irritante, eu acho-a adorável. Aqui, em discurso directo numa entrevista para o New York Times, a gargalhada aparece em todo o seu esplendor.

Alf

A minha geração recorda com carinho a hilariante personagem de Alf, um simpático extraterrestre que aterra na casa dos Tanners e vira as suas vidas do avesso. Alf é na sua essência um cómico, assim como o bonequeiro que lhe dá vida. Paul Fusco foi o criador da personagem e simultaneamente quem manobrava o boneco e fazia a sua voz daí a personagem parecer tão genuína. A gargalhada de Alf finalizava cada piada que ele dizia e ficou de tal modo famosa que passou a representar o logo da companhia ao qual Paul Fusco pertencia.

Ewan McGregor



No primeiro minuto que vi Ewan McGregor no grande ecrã, fiquei encantada com o seu sorriso e não conseguia parar de rir com a sua gargalhada. É infalível e deveras contagiante. Com o linguajar escocês as gargalhadas aumentam. Este clip mostra um resumo do documentário “The Long Way Down” onde ele e Charles Boorman aventuram-se numa viagem de mota entre a Escócia e África do Sul. Nestes 6 minutos de improvisação em frente à câmara, sem qualquer ensaio ou guião, vemos McGregor no seu melhor e desafio-os a não rir. Acreditem, será difícil.

Mike Myers: Austin Powers “Yeah Baby”

Tal como Hanks e Murphy, Mike Myers traz consigo a herança do Saturday Night Live e alguns dos personagens criados na série chegaram mesmo a dar o salto para o cinema. Porém Austin Powers foi uma personagem pensada inteiramente por Myers, tendo em mente os filmes de espionagem britânicos dos anos 60. São muitas as frases que ficam no ouvido e às quais não conseguimos parar de rir. Uma delas é este “yeah baby yeah”, com a dentuça feia de Austin.

Jim Carrey

Não interessa qual o clip que aqui coloco, Carrey conta-se entre um dos muitos cómicos que inventam uma risada em cada comédia que protagonizam. Seja esta, ou esta , faz-me sempre rir descontroladamente. A suas performances são hilariantes, e mesmo em tom sério (género onde aliás Jim Carrey surpreende) consegue contagiar-me com a sua gargalhada.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s