1,2 3 Teste. Um dois Três. SOM!

É a voz de Val Kilmer, incarnando Jim Morrison no filme de Oliver Stone, “Doors – O Mito de uma Geração”, que reúne as hostes,  tal mestre de cerimónias , para o ritual de baptismo do meu cantinho cibernético entitulado Mixtape. Bem – vindos.

Um grande obrigado ao amigo Ricardo por inadvertidamente dar título ao blog, onde tenho carta branca para despertar o cromo que há em mim. Não sou muito boa com rótulos, mas aparentemente, quem faz listas, colectâneas, colecciona material sobre uma matéria do qual nutre uma paixão destemperada, cai inevitavelmente no universo “cromo”. Não há que sentir embaraço, afinal de contas alguns dos mais inventivos profissionais de entretenimento são cromos: Cameron Crowe, Quentin Tarantino, Nuno Mark, Bill Gates etc., etc. …

Mas, afinal, que estrangeirismo  é este que dá título a este espaço?

Mixtape é uma palavra importada dos Estados Unidos da América, diz respeito a um conceito muito específico, nem sempre fácil de traduzir. Implica uma compilação de canções gravadas numa ordem especifica, tradicionalmente numa cassete áudio. Normalmente reflecte o gosto pessoal do compilador e pode conter uma simples lista de canções favoritas ou algo mais conceptual, uma colectânea de canções ligadas a um tema ou ambiente, uma mensagem pessoal destinada ao indivíduo a quem a cassete é dirigida.

Para os picuinhas como Rob Gordon, personagem no filme “Alta Fidelidade” (adaptado do livro de Nick Horby), existem regras muito específicas ao compilar uma mixtape.

O conceito que adopto neste  blog expande-se mais além. Não se restringe a uma cassete áudio (suporte já quase obsoleto) ou à expressão musical. Abraça essencialmente  as minhas três paixões: Cinema, Música e Fotografia, mas também assuntos tão mundanos como: a vida doméstica e profissional, as relações pessoais, singularidades da vida.

Um exemplo.

Como combater o bloqueio criativo? (drama que se apoderou da minha pessoa quando quis dar início a este texto)

– Dar um passeio  e arejar as ideias

– Iniciar tarefas domésticas a um ritmo compulsivo para distrair a mente do problema (e deixar a casa num brinco como recompensa)

– Atacar o supermercado , comprado quantidades obscenas de snacks açucarados para ir mastigando enquanto as ideias não fluem

– Atirar-se à confecção de bolos que prontamente comerão, entrando em choque hiperglicémico e uma vez no hospital têm uma boa desculpa.

– ouvir música previamente compilada para esse fim.

A seguinte playlist (outro estrangeirismo, bem mais prático que o quilometricamente lusitano lista de reprodução), é da autoria da minha amiga Joana, um  delicioso presente “faça você mesmo” oferecido pelo meu aniversário.  Esta selecção musical é preciosa no desbloquear cérebros preguiçosos ou atacados pelo bloqueio criativo. É calma, sem sobressaltos sónicos e ajuda a ilustrar a ideia que este meu espaço cibernético é também o vosso, na medida em que se aceitam sugestões de playlists e temas.

Como afirma a frase promocional, de novo cortesia do amigo Ricardo – NOTA MENTAL: Contratá-lo para ser meu agente quando me tornar uma mulher de sucesso – Este é um blog de listas – sobre tudo e sobre nada, mas o mais certo é serem sobre qualquer coisa.  Uma vez que (o grande humorista) Nuno Markl já pensou no conceito de “desbloqueador de conversa”©, cabe a mim introduzir o conceito “prolongador  de conversa”. Usem e abusem deste blog para criar tópicos de conversa  a propósito das minhas divagações. Não há nada que puxe o músculo da garganta que a secular discussão sobre o topo de preferências de fulano ou Sicrano.

“Já viste que filme aquela gaja teve o topete de considerar o melhor  musical de todos os tempos?!” ou  “Mas quem é que junta Aerosmith e Rolling Stones na mesma lista, se uma banda é uma fotocópia barata da outra?!” e ainda “Que insensatez deixar Pulp Fiction de fora na lista de filmes que mereciam o Óscar”.

Todas estas e outras questões que terão resposta em futuras actualizações, até lá, fiquem atentos ao Mixtape – num browser perto de si.

Playlist Bloqueio Criativo

  1. Muse: Piano thing
  2. Anthony and the Johnsons: Man is the Baby
  3. The Cloud Room: Hey Now Now
  4. Morning Jacket: Rocket Man
  5. Jane Sibbery: It Won’t Rain All the Time
  6. Rasputina: Wish You Were Here
  7. Ryan Adams: Wonderwall
  8. Sonic Youth: Trouble Little Girl
  9. White Stripes: Cold Cold Night
  10. June Carter: Ring of Fire
  11. Caetano Veloso: Come as You Are

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s